tre-chos (2008)

não são poemas
mas fragmentos de paisagens
possibilidades a brotar
raízes e galhos - embriões
ao encontro do autêntico tom
compondo um outro - novo
a se afinar consigo próprio

partindo de si
sendo o próprio teu caminho
concordando ou discordando
agindo e movimentando
escrevendo com teu nome,
com nome falso ou sem nome
somos livres para ir onde quiser
vamos voar!


escrito entre 2006 e 2008, em viagens a são paulo e minas gerais, com fragmentos de existência: lugares que passei, pessoas que convivi, percepções que tive, sons que ouvi, palavras que li, árvores, trânsitos, caminhos e toda a paisagem..



download: overmundo